domingo, 16 de marzo de 2014

Não rodar a equipa custa muito caro!


Hoje fiquei sem perceber uma coisa: a prioridade é o campeonato ou a Liga Europa? Como é que com o plantel desta categoria se joga praticamente com o mesmo onze num espaço de oito dias?


Fabiano; Danilo, Maicon, Mangala, Alex Sandro; Fernando, Herrera, Quintero; Licá, Quaresma e Ghilas. Foi este onze que sugeri frente ao Nápoles. (Eventualmente com Jackson, Varela e Defour a entrar cedo na segunda parte em função do resultado).

Será que com esses 14 não teríamos conseguido um resultado positivo na mesma? Era mesmo necessário colocar de início os mesmos jogadores pondo em risco o desempenho na segunda parte frente ao Sporting? Não percebo nada de futurologia, mas as minhas previsões confirmaram-se. Houve quebra física na segunda parte no jogo de hoje.

Depois de utilizar os 14 contra o Nápoles, sugeria o mesmo onze que Luís Castro escolheu hoje frente ao Sporting. A única diferença é que Defour, Varela, Carlos Eduardo e Jackson estariam melhores em termos físicos e teríamos uma segunda parte parecida com a primeira.

Porque é que Josué, um titularíssimo com Paulo Fonseca, deixou de contar? Kélvin não merece mais oportunidades?

Há várias questões que coloco em relação ao atual FCPorto, não pondo em causa a qualidade do treinador Luís Castro. Notou-se uma melhoria substancial na qualidade de jogo e nos níveis de confiança da equipa desde que substituiu Paulo Fonseca. Ele não deve ter receio de rodar a equipa, os adeptos estão com ele.

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Arquívo