jueves, 19 de junio de 2014

Modelo Primeira Liga 2015-2016: quem concorda?



·        Alargamento para 24 equipas
·        Primeira fase: Zona Norte (12 equipas) e Zona Sul (12 equipas). As seis melhores equipas de cada zona qualificam-se para a Liga de Elite, as outras 12 disputam o campeonato da manutenção. (22 jogos em cada competição) (de início de agosto a final de novembro/início de dezembro)
·        Segunda fase: Liga de Elite (12 equipas) e Campeonato da Manutenção (12 equipas, descem 5) (22 jogos em cada competição) (de início/meados de dezembro a finais de maio [eventualmente início de junho])
·        Jogos entre as 5 (ou eventualmente 6) melhores equipas de todas estas competições serão sempre disputados a meio da semana (de segunda a quinta) por vários motivos:
o   A questão da venda dos direitos televisivos a países estrangeiros (muitos jogos apetecíveis da nossa liga em dias com poucos jogos grandes no mundo inteiro significa certamente um maior interesse por parte de canais estrangeiros pela nossa liga)
o   Trata-se de jogos com uma grande assistência (mesmo a meio da semana), o que permite fazer com que os jogos menos interessantes tenham mais espetadores por serem obrigatoriamente disputados ao fim de semana (sexta a domingo) (jogos ao domingo disputados entre as 15h e as 21h se possível)
o   Permite às equipas que participam nas provas da UEFA evitarem jogos grandes nacionais próximos dos jogos europeus (sempre cerca de uma semana entre um jogo europeu e um jogo grande do campeonato e vice-versa)

·        Grande número de jogos permite uma venda mais acessível dos direitos de transmissão de jogos de clubes grandes a canais abertos. Portanto, a sugestão passa por transmitirem dois jogos (das 5 melhores equipas portuguesas dos últimos 5 anos, tal como foi sugerido pelo Ministro Poiares Maduro recentemente) por semana em canal aberto. (na época inteira, teríamos 80 jogos, 16 jogos por equipa)
·        Acabar com a Taça da Liga por excesso de jogos. Está claro que jogos da liga garantem uma assistência muito maior e um número maior de telespetadores. Campeonato regional pode ser visto como uma espécie de alternativa, indiscutivelmente mais lucrativa, à Taça da Liga.
·        Campeonatos Zona Norte e Zona Sul permitem uma redução dos custos em transportes tanto para os adeptos como para os clubes. Evita-se algum desgaste nas equipas que participam na fase de grupos das provas europeias.
·        Liga de Elite tem outro fator aliciante: o top-8 disputa menos uma eliminatória da Taça de Portugal (entrada apenas nos oitavos do ano seguinte, equipa de escalão superior joga sempre fora) (meia final a uma mão) (máximo de 4 jogos para estas equipas)
·        Restrição de 10 estrangeiros aquando da inscrição do plantel na liga de clubes permitiria garantir um número significativo de jogadores portugueses em muitos jogos. Cenário de dois jogos por semana obrigam as equipas a rodarem o plantel. É crível que no mínimo cerca de 10-15 jogadores com nacionalidade portuguesa a jogarem com alguma regularidade. Os clubes que não conseguem garantir um plantel português estariam assim forçados a contratar estrangeiros de grande valor, ao contrário do que sucede atualmente em quase todos os clubes profissionais.
·        Este modelo permitia um número mínimo de jogos aceitável: 45 jogos caso um clube sem competições da UEFA seja eliminado logo no primeiro jogo da Taça de Portugal. Trata-se de um número aceitável para manter um bom nível competitivo a todos os clubes, ao contrário dos atuais 33 jogos mínimos.
·        Número máximo de jogos poderá atingir os 62-64 em ano extraordinário (supertaça (1) + 44 da liga + 4 da Taça de Portugal + Champions (13) ou Liga Europa (15). Se tivermos em conta que na presente época estão previstos 61 jogos divididos por campeonato, liga europa, taça de portugal e taça da liga (34+15+7+5), não se trata de uma diferença significativa no número máximo de jogos. No entanto, evitaria obrigatoriamente o enorme fosso que atualmente verificamos entre um clube grande e um clube pequeno. Esta diferença será no máximo de 19 jogos contra os 28 atuais.
·        Este modelo permite um encaixe significativo em termos de bilheteira a mais seis equipas tendo em conta o alargamento, visto que estas defrontam clubes com enormes massas adeptas, ao contrário do que acontece na Segunda Liga.
·        Muitos jogos em agosto oferecem mais possibilidades aos emigrantes portugueses de assistirem aos jogos do nosso principal escalão. Um aumento dos jogos na época de Natal (fim de dezembro/início de janeiro) também será vista com bons olhos por estas comunidades.
·        Participação europeia teria tudo para melhorar significativamente, principalmente na fase de grupos. Dada a sua menor exigência, o campeonato regional permite fazer uma gestão inteligente do plantel em função dos jogos europeus.
·        Novo modelo traz inúmeras vantagens a todos os níveis, mas há uma que agrada muito aos amantes da modalidade: o provável aumento do número dos jogos grandes (4 Sporting-Benfica, 4 FCPorto-Braga, 4 FCPorto-Guimarães...). Em dez meses de competição, temos cerca de 80 jogos grandes (maioritariamente os jogos entre Porto, Benfica, Sporting, Braga, Guimarães e Boavista), o que daria uma média de 8 jogos grandes por mês.
·        Segunda fase seria extremamente competitiva porque reúnem apenas equipas muito fortes. Primeira fase teria provavelmente uma qualidade menor, mas ainda assim garantem muitos dérbis e alguns clássicos, oferecendo uma assistência considerável.
·        Mais transmissões televisivas
o   Liga Zona Norte: transmissão de todos os jogos de FCPorto, Braga, Guimarães e Boavista + alguns jogos de outros clubes.
o   Liga Zona Sul: transmissão de todos os jogos de SLBenfica, Sporting, Marítimo e Nacional + alguns jogos de outros clubes.
o   Transmissão de todos os jogos da Liga de Elite
o   Transmissão do melhor jogo de cada jornada da Liga da Manutenção

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Arquívo