domingo, 2 de noviembre de 2014

Balanço dos ativos do FCPorto


A contratação de Lopetegui trouxe a tal revolução que Pinto da Costa pretendia. Quis-se afastar quase por completo o fantasma do passado recente. Agora, a pergunta é se tudo isto era mesmo necessário. Será que todos os jogadores que saíram no último defeso não tinham lugar no plantel do FCPorto? 


O Barboville Blog tem estado atento à carreira dos dispensados e os resultados provam que estes atletas - pelo menos grande parte - não mereciam este tratamento. Há vários jogadores, cuja parte ou a totalidade do passe pertence ao FCPorto que estão a dar nas vistas. Uns estão contratualmente ligados, outros pertencem em parte ao FCPorto.


Sérgio Oliveira: metade do passe pertence aos portistas. Tendo somado todos os minutos na Primeira Liga, está a fazer uma época excecional ao serviço do Paços de Ferreira, é claramente o melhor jogador e um elemento fundamental da equipa. E tem estado em destaque na fantástica Seleção de sub-21, pela qual marcou um golo frente à Holanda. Tem lugar de caras no plantel do FCPorto...

Pedro Moreira: FCPorto detém a totalidade do passe. Também ele determinante na equipa de Pedro Martins, foi titular em quase todos os jogos do Rio Ave até se lesionar há cerca de um mês. Está desde então afastado dos relvados, deverá regressar em breve. Face ao excesso de opções para a próxima época no meio campo e apesar de ser um bom médio defensivo, talvez não tenha qualidade suficiente para integrar o plantel principal.

Kléber: 70% do passe é dos azuis e brancos. Embora muitos duvidem, o ponta de lança brasileiro tem muita qualidade e está a prová-lo no Estoril. A tarefa de Kléber não era mesmo nada fácil. A época não tem corrido muito bem à equipa de José Couceiro e a sua chegada à Amoreira já com a época em andamento não jogavam a seu favor. Apesar disso, tem estado em destaque, marcando 5 golos em apenas 495 minutos. Titular do FCPorto talvez não, mas seria uma excelente segunda ou terceira opção.

Tozé: 65% do passe. Com algumas dificuldades para se impor como titular no Estoril no início da época face à forte concorrência de jogadores como Kuca e Cabrera, o médio ofensivo tem conseguido ganhar esse estatuto nas últimas semanas e tem estado em muito bom plano. Jogador de raça, alguma qualidade técnica e boa meia distância, podia ser um jogador útil ao FCPorto no futuro próximo.

Carlos Eduardo: 60% do passe. Longe de ser um dos melhores dos dispensados do FCPorto, é o ativo que se está a valorizar mais. Muito por força da exibição soberba frente ao Guingamp, que mereceu nota 10 para o l'Équipe (quase nunca acontece), Carlos Eduardo encontra-se atualmente no terceiro lugar dos melhores marcadores da Ligue 1, atrás dos consagrados Gignac e Lacazette. Marcou 5 ao Guingamp e marcou o único golo na vitória em casa do Mónaco. É a grande estrela do Nice neste momento e apesar de ser médio ofensivo, marca golos com muita dificuldades. Não tendo provado nada a especial a nível técnico e tático, pode ser sempre um elemento a ter em conta para o plantel azul e branco.

Ghilas: FCPorto tem metade do passe. O avançado representa atualmente o Córdoba e tem estado em destaque naquela equipa. Já é um dos ídolos do clube e indiscutível na equipa de Djukic. Soma 3 golos na Liga BBVA, dois deles frente ao Atlético no Vicente Calderón. Na minha opinião, a dispensa dele foi um dos grandes disparates de Lopetegui. Tinha lugar no FCPorto.

Josué: FCPorto possui o passe todo. Produto da formação portista, o médio polivalente tem sido um dos grandes destaques do Bursaspor (campeão turco em 2010). Bate todas as bolas paradas e participou em alguns golos da equipa e estreou-se a marcar no último fim de semana. Tal como Ghilas, Lopetegui cometeu um erro inadmissível ao dispensar este jogador. A sua qualidade técnica e tática permite que faça todas as posições do meio campo e seria sempre mais um jogador da formação para inscrever na lista da UEFA.

Abdoulaye e Licá têm jogado com regularidade no Rayo Vallecano. Não se têm destacado por aí além numa das piores equipas de Espanha. Pelo que têm mostrado até agora, não justificam o regresso ao clube.

Djalma, Varela, Bolat e Sami têm tido poucas oportunidades nos seus clubes, mas são jogadores que podem eventualmente integrar o plantel do FCPorto. São boas opções, mas nunca de primeira linha. E também são ativos bastante valorizados ou que se estão a valorizar. Podem gerar bons encaixes.

Ainda há uma lista infinita de vários outros jogadores contratualmente ligados ou que pertencem em parte aos quadros do FCPorto. Stefanovic, Quiñones, Júnior Pius, Izmaylov, Rúben Alves, Caballero, Walter, Tomás Costa, Stepanov, Souza...

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Arquívo