martes, 18 de agosto de 2015

Reestruturação do futebol português: a ideia base (com ilustrações)

Imagem de Capa do Facebook Oficial de Pedro Proença
O Barboville Blog apresentou, há mais de um ano, uma proposta para uma reestruturação do futebol português que é vantajosa para todos os clubes. O modelo, que está a ser fortemente divulgado, implica alterações a nível da estrutura dos formatos competitivos das competições organizadas pela Liga de Clubes, dos regulamentos de inscrição de atletas, dos direitos televisivos e da calendarização. 

A sugestão passa por uma Primeira Liga com 24 clubes e uma Segunda Liga com 28. Para garantir a sustentabilidade de tantas equipas, ambas as competições seriam disputadas em duas fases. Uma fase de campeonato regional e outra nacional. A regional consistiria numa Liga Norte e noutra Liga Sul. Os 12 clubes (14 clubes no caso da Segunda Liga) geograficamente mais a Norte integrariam a Liga Norte e as restantes ficariam na Liga Sul. Os seis primeiros classificados das Ligas Norte e Sul da Primeira Liga apuram-se diretamente para a Liga Elite que formam uma nova competição também de 12 equipas. Na Segunda Liga, seriam os sete primeiros das Ligas Norte e Sul a integrar a Liga Elite, composta por 14 equipas à semelhança da primeira fase. Aqueles que não conseguem um lugar na Liga de Elite passam a competir no Campeonato da Manutenção que conta com o mesmo número de clubes.

Quanto ao calendário, a época oficial começaria logo no início de agosto (ou no final de julho) com a Supertaça num dia a meio da semana em função dos interesses dos clubes envolvidos. Tanto a primeira fase como a segunda, terá uma grande novidade para os considerados jogos grandes aquando do sorteio do calendário destas competições. Os jogos entre os cinco clubes mais cotados na época anterior serão disputados sempre a meio da semana. A primeira fase teria lugar de agosto a novembro, enquanto a segunda fase começaria logo no início de dezembro e terminaria a finais de maio.

No que diz respeito às restantes taças nacionais, passaria a não haver Taça da Liga para diminuir a sobrecarga de jogos. A Taça de Portugal continuaria com eliminatórias a uma mão (também a meia final) e a final disputar-se-ia no Estádio Nacional. No entanto, a novidade seria o apuramento direto do top-8 da Primeira Liga da época anterior para os oitavos de final da prova. Dentro da mesma lógica, as equipas que se encontram entre o nono e o décimo-sexto lugar apurar-se-iam diretamente para os dezasseisavos. As restantes equipas inscritas para a Taça de Portugal integrariam o sorteio mediante o sistema de cabeças de série, em que o clube de escalão inferior jogaria sempre em casa, numa regra válida para o resto da competição.



Quanto ao regulamento, há uma pequena alteração que o Barboville Blog sugere no que diz respeito aos jogadores inscritos. Seguindo um modelo semelhante ao da Premier League, os clubes (as equipas B não contam neste particular) teriam de obedecer a uma quota de inscrição de jogadores portugueses com idade de sénior. A quota sugerida é de 20 jogadores portugueses. Todos os clubes inscreveriam, portanto, 20 ou mais atletas lusos que tenham 19 anos ou que completem o 19° aniversário nesse mesmo ano. O objetivo é dar a possibilidade a um grande número de atletas portugueses de competir e incentivar os clubes a terem uma equipa B ou até mesmo C, que tantos resultados positivos tem dado às nossas seleções.

Porquê um modelo tão complexo? 

Existem várias razões para a defesa deste modelo de reestruturação. A receita de direitos televisivos está, neste momento, muito aquém daquilo que deveria ser, pretende-se criar um calendário que favoreça os participantes nas provas da UEFA, tudo tem de ser feito para as assistências aumentarem, além de outros motivos. Explicaremos algumas destas questões no próximo artigo.

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Arquívo