miércoles, 23 de septiembre de 2015

Existe salvação para a Briosa?

O Jogo
A Académica está a viver uma das fases mais difíceis dos últimos anos. 5 jogos, 5 derrotas e apenas 1 golo marcado. Números poucos animadores para o longo campeonato que ainda falta disputar. José Viterbo já deixou o comando e o novo treinador da Académica começará logo com 3 jornadas altamente complicadas frente a Rio Ave, Marítimo e Vitória de Guimarães. O que é que está a correr mal?

Em primeiro lugar, o plantel é um dos mais fracos da Liga NOS. Se olharmos para os habituais titulares, os nomes mais sonantes são João Real, Nii Plange, Emídio Rafael, Obiorah, Leandro Silva, Bouadla, Rui Pedro e Gonçalo Paciência. Além disso, ainda conta com os experientes Fernando Alexandre e Nuno Piloto. Não é um onze de luxo, mas pode-se dizer que se pode construir uma equipa competitiva com estes elementos. No entanto, as segundas e terceiras escolhas - muitas delas - são constituídas por jogadores com pouca experiência de Primeira Liga.

Em segundo lugar, o 4x3x3 não está a favorecer as caraterísticas dos seus desequilibradores. Os principais são Bouadla e Rui Pedro. O argelino rende mais a 10 puro ou descaído para o lado esquerdo do ataque. Com Viterbo, vinha a jogar na posição mais adiantada do miolo, tendo que participar com frequência nas ações defensivas. Trata-se de um jogador que precisa de liberdade criativa. Quanto a Rui Pedro, tem jogado numa das alas, embora acredito que renda mais no apoio ao ponta de lança ou ao lado dele.

Em último lugar, é inacreditável como Gonçalo Paciência não é um titularíssimo nesta equipa. Trata-se de um avançado que faz falta a qualquer clube. Poderia formar um ataque de qualidade com Rui Pedro e Bouadla nas costas. No meio campo, apostaria em mais elementos e com mais músculo e resistência.

Tendo como base estas considerações, concluo que o melhor onze base da Académica poderia ser o seguinte: Trigueira; Nii Plange, Ricardo Nascimento, João Real, Emídio Rafael; Fernando Alexandre, Obiorah, Leandro Silva, Bouadla; Rui Pedro e Gonçalo Paciência.

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Arquívo