lunes, 26 de octubre de 2015

Rui Vitória está a prazo?

O balanço do Benfica de Rui Vitória até ao momento é o seguinte: 12 jogos, 7 vitórias e 5 derrotas. Muito se tem falado na fragilidade da posição do novo treinador benfiquista, tendo o resultado pesado no dérbi frente ao Sporting alimentado as opiniões pessimistas. No entanto, reconhecendo que os resultados não são animadores, não vejo razão para dramatismos.

Se é verdade que o Benfica tem 5 derrotas, também temos de reconhecer que os jogos tinham um elevado grau de dificuldade. Duas delas foram com o Sporting, uma no Dragão, outra no Estádio do Galatasaray e a menos aceitável de todas foi frente ao Arouca que estava motivado no primeiro lugar depois de uma brilhante vitória fora em Moreira de Cónegos. 

Os resultados de Rui Vitória não são, de facto, brilhantes. À exceção do triunfo extraordinário em Madrid frente ao Atlético e a vitória arrancada a ferros diante do Vianense, o Benfica perdeu sempre fora. Em casa, ganhou sempre à exceção do último jogo. No entanto, não nos esqueçamos da dificuldade que a equipa teve para vencer Estoril, Moreirense e Astana. Já com Belenenses e Paços, que têm excelentes planteis, o Benfica conseguiu vencer com brilhantismo.

Que análise podemos fazer deste início de época? O Benfica é capaz do melhor e do pior. Parte da explicação poderá residir no desequilíbrio a nível tático. Se o 4-2-4 com Jorge Jesus conseguia ser organizado e equilibrado a nível defensivo, com Rui Vitória as compensações não têm saído tão bem. O outro motivo poderá ter a ver com a inexperiência de alguns jogadores e algum défice de qualidade no banco de suplentes. Embora o potencial dos seus jogadores mais jovens seja grande, o equilíbrio tático, a organização defensiva e a experiência dos jogadores em certos momentos podem ser determinantes nos jogos grandes.

Na minha opinião, o culpado nunca devia ser Rui Vitória. O investimento no plantel foi demasiado baixo para uma equipa que se assume candidata ao título. O projeto de Luís Filipe Vieira para os próximos anos de apostar nos jogadores da formação, que tem gerado um grande investimento por parte do clube, é muito interessante, mas tem de ser feito de forma gradual e pode levar o seu tempo. Como tal, penso que o trabalho do antigo treinador do Vitória de Guimarães tem de ser encarado como um projeto a médio/longo prazo. Assumir a candidatura ao título significa uma pressão excessiva e injusta sobre o técnico, podendo afetar igualmente o rendimento dos jogadores.

1 comentario:

  1. Bom dia!

    Passem pelo meu blogue e leiam os diversos artigos que publiquei esta semana:

    Sobre Rúben Semedo, central/médio defensivo do Sporting emprestado ao Vitória: http://davidjosepereira.blogspot.com/2015/11/concentra-te-ruben.html

    O trio d'ataque do Estoril: http://davidjosepereira.blogspot.pt/2015/11/a-heterogenea-linha-ofensiva-estorilista.html

    O futebol, neste momento, transformado num espetáculo que se esquece que é desporto: http://davidjosepereira.blogspot.pt/2015/11/o-espetaculo-que-se-esquece-que-e.html

    Depois deixem o vosso feedback, é importante para debates saudáveis sobre os temas.


    Abraço

    ResponderEliminar

Arquívo